Superstar - Capítulo Quatro

Chegando agora? Acompanhe esta história do início, clicando AQUI.



"O que você pensou que estava fazendo? Você sabia que isso é quebra de contrato?"

Anne estava possessa de raiva. Olhei para ela, com seu olhar ameaçador, e me perguntei porque tanto problema.

"Eu sou dona de mim mesma, e eu sou a artista aqui. Tenho direito sobre minha vida também e sobre minha carreira! Você não pode me dizer o que fazer!"

"É claro que posso! Você assinou um contrato comigo, você me pertence!"

Anne andava de um lado a outro como um felino enjaulado.

"Garota, você errou feio!"


"Eu não entendo esse seu desespero. Você já viu quantas curtidas no meu site? Quantos emails, quantos likes, quantos compartilhamentos? Só se fala nisso no mundo inteiro! Fãs estão elogiando minha música, e mais ainda por eu estar sozinha nos créditos! Você devia estar adorando!"

Ela parou de andar e me encarou com olhos frios.

"Claro que não estou. E o nosso superior não vai gostar nada quando vir isso."

Ela saiu batendo a porta com raiva. Eu não me importei. Não sei a quem ela se referia como nosso superior, já que ela era a dona da produtora e, acima dela, não tinha ninguém. Resolvi não esquentar com isso e já liguei para Little B, meu coreógrafo. Ele adorou a música, e já tinha escutado assim que a divulguei.

"Menina", a voz dele era empolgante ao telefone, "já criei tantas coisas para essa música! Você vai adorar, diva!"

Eu sorri com a empolgação dele. Tudo dava certo, todos adoraram, e eu não conseguia entender porque Anne não gostava disso. Marquei horário com Little B, e começamos a ensaiar no dia seguinte. Se Anne não ia me ajudar, eu mesma iria produzir toda a divulgação e o clip de Revolution. A música já estava bombando em poucas horas, e eu sabia que seria um passo diferente à minha carreira.

***



Eu estava cansada. Anne simplesmente deixou de lado a discussão, mas seu olhar era sempre cortante. E eu tinha sempre a sensação de estar sendo vigiada cada vez mais. Por outro lado, eu me dediquei a tudo o que ela pediu: cumpri toda a agenda preparada por ela, compareci a entrevistas, shows, gravação de um clip novo, e fiz minha agenda de Revolution à parte, justamente para não chocar as duas coisas. Eu queria mostrar a ela que Revolution era parte da carreira, e não outra coisa separada, e que ambos poderiam ser complementares e não antagônicos.

Chamei-a para ver a gravação do clip de Revolution. Ela teceu elogios a Little B e a ideia inicial do clip. Mas, quando ela viu a prova final, com a edição completa, surtou.

"Você enlouqueceu!"

"Mas por quê?"

"Por quê? Você ainda pergunta? Olhe isso!"

Ela voltou a cena com o controle remoto. Era a cena em que eu saía de dentro do espelho e confrontava a mim mesma, numa briga. A diferença é que eu, que saí do espelho, estava de cabelos pretos, enquanto a que estava fora, era eu loira. A morena venceu a briga e saiu vitoriosa no final.

"Isto!"

"Qual o problema?"

Anne olhou para mim como se eu fosse retardada.

"Minha querida Megan, você não entende. Quando você coloca uma cena dessas, a morena que há em você está destruindo a diva Megan. Agora entendo a razão do nome do seu single ser Revolution. É isso o que você quer? Revolução? Destruir sua imagem perfeita para ser outro tipo de cantora? A imagem perfeita que eu lutei para construir e que fez de você uma das cantoras pop mais bem sucedidas do mundo?"

"Não, Anne. Não quero destruir minha carreira, mas quero tomar minhas próprias decisões também. Quero ser eu mesma, e eu percebi que é assim que eu sou", eu disse, apontando para a imagem congelada, que me mostrava morena vencedora, de pé, enquanto a loira estava no chão.

"Não tente bater de frente comigo, garota, ou você pode se dar mal. Eu fiz você. E eu posso desfazer."

Fiquei de pé e me aproximei dela, olho no olho.

"Isso é uma ameaça, Anne?"

"Entenda como quiser."

Ela se retirou da sala, deixando a mim, meus colegas bailarinos e toda a equipe boquiabertos com a discussão que se passara. Olhei para todos eles, agradecendo pelo trabalho excepcional e dando carta branca para a divulgação do clip, e também me retirei.

***

Aquela noite eu estava preparada para dormir. Kim veio até o quarto, informar minha agenda do dia seguinte.

"Me diz uma coisa, Kim. Você acha mesmo que este clip vai destruir minha carreira?"

A oriental sorriu e sentou-se em minha cama.

"Não, Megan, não acho. Na verdade, achei seu clip incrível, e sua música muito boa. Acho que Anne deveria confiar mais em você e acreditar no seu potencial. Você canta muito bem, não sei porque tanto sintetizador em sua voz ultimamente! Esta sua nova música ficou ótima do jeito natural! Nem me lembrava mais como era sua voz!"

Eu sorri. "Nem eu, Kim. Nunca mais havia cantado com todo meu potencial. Queria entender porque Anne me poda tanto..."

"Olha, Megan, eu não sei quais os métodos que ela usa, mas sabemos que é uma das melhores produtoras musicais do mundo, tanto é que sua carreira deslanchou perfeita até agora. Ela deve saber o que é melhor para você."

Suspirei, sentindo o sono vir suavemente.

"Não, Kim. Eu também sei o que é melhor para mim."

Não vi minha assistente sair, eu já estava dormindo.

***



Foi um sonho horrível. Eu não sei dizer exatamente o que foi pior, mas quando acordei estava completamente ensandecida. Eu queria quebrar qualquer coisa na minha frente, e quando olhei no espelho e vi meus cabelos loiros, fiquei com ódio daquela mulher que me olhava de volta. Não pensei duas vezes, e quando vi, num impulso, já tinha quebrado o espelho com uma escova de cabelo. Ele havia se espatifado em vários pedaços, e em alguns deles, a loira parecia sorrir para mim, escarnecendo de mim.

A raiva brotou de todos os lados, e saí do quarto do jeito que estava, usando um moletom escuro e um tênis. Kim ouviu o estrondo e veio em minha direção, mas nem sequer parei, passando por ela como um trator. Correndo, entrei em meu carro e parti. Olhei pelo retrovisor e vi que um dos meus seguranças falava com alguém, e outro carro queria me seguir.

Eu sabia que não adiantava fugir dali. Meu carro tinha GPS e iriam me encontrar logo. Eu só tinha uma coisa em minha mente. Eu ia apagar aquela que me atormentava, aquela vadia, que não era eu. Aquele ícone que não existia. A loira.

Entrei numa farmácia e comprei uma tinta de cabelo. Do jeito que eu estava, a mulher sequer me reconheceu. Paguei com dinheiro e saí correndo, direto para casa. Quando cheguei, estavam todos acordados e Anne já estava lá. Claro, com ódio nos olhos.

"O que você pensa que está..."

Não dei chance de ela terminar a frase, pois passei por ela, empurrando-a para um lado, indo direto para meu quarto, trancando a porta em seguida.

"Megan! Abra já esta porta! Sabemos onde você foi e o que comprou! Não se atreva!"

Eu não sabia o que era pior: ter a confirmação de ser vigiada ou saber que Anne queria me controlar. Como sabiam o que eu havia comprado? Ninguém me seguiu! A verdade é que sabiam. Não perdi tempo: entrei no banheiro da suíte e comecei os preparativos para escurecer meu cabelo. Finalmente me livraria dela.

"Eu vou ser eu mesma de novo!" gritei, para que Anne escutasse.

Em pouco tempo, quando já estava esperando o tempo da tinta, percebi que estavam abrindo a porta do quarto.

"Mas o que..."

Anne, dois seguranças e uma Kim apavorada invadiram meu quarto. Eu havia trancado a porta do banheiro, e para esta porta não havia cópia de chaves. Ela também tinha uma tranca por dentro, o que tornava difícil abrir por fora, a não ser que arrombassem.

Batidas mais fortes na porta me fez perceber que Anne estava disposta a isso. Um dos seguranças arrombava a porta a pontapés. Mas não adiantaria. A tinta estava surtindo efeito.

Quando entraram, encontraram uma Megan sorridente e morena.

"Você está louca!" Anne estava quase sem ar. "Segurem ela!"

"Não! Vocês não podem fazer isso!"

Os seguranças me tiraram de dentro do banheiro com violência. Eu estava em pânico. Não sabia porque estavam me segurando daquele jeito, mas tive uma sensação de dejá vu que não foi nada boa.

Foi quando vi uma seringa na mão de Anne, que foi se aproximando do meu braço, e em seguida não vi mais nada.



Voltar ao Capítulo Três       -           Capítulo Cinco

Share this:

JOIN CONVERSATION

2 comentários:

  1. Gente... tu que escreve? :O Escreve bem, parabéns! *palmas*
    http://interessantedeler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nathália.
      Obrigada pela visita! Abraços!

      Excluir